jump to navigation

Voces sabem o quão insignificante nosso planeta é para o cosmos? junho 29, 2009

Posted by Bruno de Lima Assis Figueiredo in 1.
add a comment

O século XXI irá consolidar as evidências que o Homem vive num planeta nada excepcional, em torno de uma estrela nada excepcional, o Sol, localizada entre a extremidade e o centro de uma galáxia normal, a Via Láctea. A nossa galáxia faz parte de um grupo de galáxias, o Grupo Local, localizado na periferia de um grande enxame (ou aglomerado) de galáxias. Mesmo este enxame é pequeno em relação aos grandes enxames de galáxias que podemos observar noutras partes do Universo. A nossa localização é, portanto, insignificante perante o Universo que, pelo que sabemos, nem sequer tem um centro.

Grande parte das modernas teorias cosmológicas é construída com base no princípio cosmológico. O princípio cosmológico é uma das principais hipóteses da cosmologia moderna, baseada em um número crescente de evidências observacionais, que afirmam que em escalas espaciais suficientemente grandes, o Universo é homogêneo e isótropo. Para melhor compreensão, em qualquer local que estivermos, notaremos que em relação a nós as gálaxias estarão se afastando. Isto nos dá a falsa impressão de estarmos no centro. Em qualquer instante de tempo, o universo parece sempre ser aproximadamente o mesmo em todas as direções, independente do local que você esteja.

Em 2003, o Telescópio Espacial Hubble fotografou a imagem do milênio, uma imagem que mostra nosso lugar no universo. Qualquer um que entende o que esta imagem representa, é permanentemente mudado por ela. Ai vai um vídeo muito bom do youtube sobre assunto, imperdível:

Hubble Deep Field: A Imagem Mais Importante

Anúncios

Os Bons Tempos da Era Grunge no Templo do Cachorro. novembro 2, 2007

Posted by Bruno de Lima Assis Figueiredo in Filmes e Música.
add a comment

Temple Of The Dog

Imagine se os dois maiores vocalistas da atualidade, Chris Cornell (sound garden e audioslave) e Eddie Vedder (Pearl Jam), montassem uma banda. Um tem um timbre onde atinge notas mais agudas o outro as mais graves. Parece uma mistura perfeita não é mesmo? Então não precisa imaginar, porque esta banda já existiu e se chamava Temple of The Dog.

O Temple of the Dog foi mais um projeto temporário de alguns amigos em homenagem ao cantor Andrew Wood. Andrew foi vocalista do Mother Love Bone, uma das bandas pioneiras do grunge, e morreu em março de 1990, vítima de uma overdose de heroína. Fizeram parte da banda: dois membros do Soundgarden, o vocalista Chris Cornell (que conhecia Andrew pois havia sido seu companheiro de quarto em Seattle) e o baterista Matt Cameron; dois ex-membros do Mother Love Bone, o guitarrista Stone Gossard e o baixista Jeff Ament; além de dois ainda desconhecidos amigos de Gossard, o vocalista Eddie Vedder e o guitarrista Mike McCready.

Gravaram um único álbum auto-intitulado, que saiu pela A&M Records, em 1991. O disco recebeu críticas positivas, mas só recebeu a atenção que merecia depois que o Pearl Jam (banda formada por Gossard, Ament, Vedder e McCready após o fim do Temple of the Dog) estourou ao redor do mundo com seu primeiro disco chamado “Ten”. Depois do fim dessa homenagem, Cameron e Cornell voltam para o Soundgarden e o resto, como dito acima, forma o Pearl Jam, que é hoje uma das mais populares bandas nascidas na esfervecente Seattle do início década de 90.

Presenteio vocês com um clipe do Temple Of The Dog e um show do Pearl Jam com participação especial de Chris Cornell para relembrar os tempos de Temple Of The Dog na era grunge.

Temple of the Dog – Hunger Strike

Pearl Jam e Chris Cornell – Hunger Strike

 

Stoned setembro 20, 2007

Posted by Bruno de Lima Assis Figueiredo in Filmes e Música.
add a comment

Capa do filme Stoned 

Ontem as 22h liguei minha tv, deitei e fui recorrer ao Telecine Cult que sempre me presenteia neste horário com bons filmes. O filme? Stoned (2005), baseado na misteriosa morte do criador dos Rolling Stones, Brian Jones.

Um dos maiores astros da música dos anos 60, membro fundador dos Rolling Stones em 1962, Brian Jones teria sido o mais talentoso entre eles, o mais bem aparentado e inteligente, o que tinha mais estilo no figurino, o mais excêntrico e o primeiro a namorar Anita Pallenberg, a musa loira do grupo. A encarnação do Rolling Stone ideal, que pavimentou o caminho trilhado nas últimas décadas por Mick Jagger.

Fato é que o guitarrista foi peça essencial na formação dos Stones, e não só pelo seu estilo de roqueiro extravagante. Nos sete anos que permaneceu como guitarrista da banda, Jones contribuiu com sua criatividade afiada para arranjos e seu talento extraordinário para tocar qualquer instrumento, assumindo por conta própria o papel de líder do grupo.

O artista foi o criador da maior banda de rock de todos os tempos, os Rolling Stones, mas no auge da fama se rebelou contra tudo que o cercava e passou a se dedicar ao cinema e à música étnica no Marrocos. Jones foi da ascensão à ruína em apenas sete anos.

O filme apresenta a teoria de homicídio em torno da morte de Jones, encontrado na piscina de sua casa em 02 de julho de 1969, supostamente vítima de afogamento acidental devido aos efeitos do álcool e das drogas. Imperdível!!!

Bria Jones , Yoko Ono e Jhon Lennon com seu filho Julian Lennon
Bria Jones , Yoko Ono e John Lennon com seu filho Julian Lennon na
gravação do show especial Rock and Roll Circus do Rolling Stones.

Um Pouco de Música e Inutilidade Cósmica julho 31, 2007

Posted by Bruno de Lima Assis Figueiredo in Cosmos.
1 comment so far


Galáxia NGC 1512

 

Muita gente já escutou a musica Segundo Sol do Nando Reis, mas alguém sabe o que ele quer dizer com essa letra? Talvez eu possa ajudar com um pouco da cultura pop adquirida no mundo de inutilidades da internet e seus mitos. Vamos com calma analisar a letra da música.

“Quando o segundo sol chegar
Para
realinhar as órbitas dos planetas
Derrubando com assombro exemplar
O que os astrônomos diriam se tratar
De um outro
cometa”

Existe nas crenças dos antigos manuscritos sumérios em argila, uma história sobre um povo que veio do céu, chamado Anunaki, e criou a raça humana geneticamente. Este planeta faz um translação em volta do nosso sol em um período de 3600 anos, que corresponde também ao ciclo do calendário de uma outra civilização, a civilização Maia, que fecha mais um ciclo do seu calendário em 2012. Este planeta fica junto com seu sol muito próximo da terra, segundo os sumérios, a cada 3600 anos, interferindo nas órbitas dos planetas do sistema solar.

“Não digo que não me surpreendi
Antes que eu visse, você disse
E eu não pude acreditar”

A testemunha ocular da musica, que no caso pode ser o Nando Reis, testemunha o evento e lembra de ter sido avisada do acontecimento mas continuara incrédula, portanto se surpreendeu com tal holocausto.

“Mas você pode ter certeza
Que seu telefone irá tocar
Em sua nova casa
Que abriga agora a trilha
Incluída nessa minha conversão”

Neste momento penso que o Nando esta se referindo a conversão harmônica, acontecimento apocalíptico previsto pelos gnósticos com a chegada do novo sol, que representa a separação do joio do trigo, onde aqueles que buscam o amor e os ensinamentos dos mestre jesus (por incrivel que pareça os gnóstico misturam ets, espiritismo e cristianismo tudo em um liquidificador e depois tomam sem pensar) iram para a quarta dimensão, enquanto aqueles que se apegam as coisa materiais, a maldade e a disputa ficarão na terceira ou segunda dimensão (lembro as vocês que o universo tem 11 dimensões segundo Stephen Hawking, maior físico da atualidade). Vemos que o Nando Reeis espera evoluir para a quarta dimensão e fazer contato coma pessoa que te avisou sobre este holocausto.

“Eu só queria te contar
Que eu fui lá fora e vi
dois sóis num dia
E a
vida que ardia
Sem explicação”

Parece que sua fé na tal crença fez com que ele sentisse uma paz interior onde a vida ardia sem explicação: o amor.

Portanto podemos supor que o Nando Reis é um exotérico de plantão e já sabia dessas coisas tão modernas. Na verdade quando lia sobre estes asuntos me veio essa música na cabeça, pois ela se encaixa perfeitamente com toda essa história de fim do ciclo do calendário maia, convergência harmônica, sumérios, Anunaki, etc…

Assim que puder posto mais sobres os sumérios, pois estes sim eram uma civilização muito interessante…